12 de abr de 2011

Howl

Howl
Ano: 2010
Com quem? James Franco (O Besouro Verde), Jon Prescott (O Amor Não Tira Férias), Jon Hamm (Sucker Punch – Mundo Surreal), Mary-Louise Parker (Weeds) e Aaron Tveit (Gossip Girl).
Avaliação: ★  (5/5)

James Franco vem ganhado um espaço cada vez maior em nossos corações. Depois de 127 horas tudo é só amor.

Desta vez, a paixão vem de outro propulsor da arte, não é mais a sobrevivência. Em Howl, o que move a história é o amor. O filme retrata um período da vida de Allen Ginsberg, considerado um dos principais poetas da geração beat com sua publicação “Howl & other poems” de 1956. Uma importante coletânea de poemas escritos por Allen Ginsberg, que após dois anos rendeu um processo por obscenidade contra Lawrence Ferlinghetti, dono da City Lights Bookstore, editora que publicava a obra.

O filme tem uma abordagem diferente que envolve uma visão documentada dos fatos que servem de guia para a obra de Allen Ginsberg. Entre cenas animadas, narradas pelo poeta interpretado magicamente por James Franco, cenas em preto e branco e partes documentadas, o filme emerge o espectador para a obra de Allen Ginsberg.


Eu não conhecia o trabalho de Allen e senti na pele toda energia transmitida pelos escritos. A visão o filme nos transmite é de estar frente a frente com o poeta quando ele estava escrevendo cada frase ou estar ali fitando-o quando lia seu trabalho para um grupo de pessoas no bar. As atuações contribuem para esse tipo de sensação e sabemos que é raro um filme nos prender assim.

O longa-metragem com ar de documentário é ‘homónimo’: se você conhece o trabalho de Allen Ginsberg vai amar ou odiar. Se não conhece também vai ter uma posição única de um mesmo sentimento. Porém, o que realmente importa é esse é um dos trabalhos mais sensacionais que já assisti. Como futuro estudante de letras e amante das artes, digo que não há outro trabalho tão significante e bem produzido como este.


É tudo como se estivéssemos sendo apresentados ao intimo de Allen Ginsberg, leigos nos sentimentos poéticos e estivéssemos em uma enorme aula ministrada por esse grande artística.

Intimista como o arrepio da pele.

2 comentários:

  1. James Franco não cansa de ser foda.

    ResponderExcluir
  2. esse cara da segunda foto parece o gabe simas kkk

    ResponderExcluir