• Cloud Atlas: Uma viagem pela história da humanidade.

  • Gangster Squad: Emma e Ryan sendo uns lindos.

  • Les Misérables: ♫ But the tigers come at niiiight ♫

30/11/2011

30 Minutes or Less

30 Minutos ou Menos
Ano: 2011
Com quem? Jesse Eisenberg (Zumbilândia), Aziz Ansari (Eu Te Amo, Cara), Danny McBride (Sua Alteza), Nick Swardson (Esposa de Mentirinha), Dilshad Vadsaria (Greek).

É sobre o quê?
David (Eisenberg) é entregador na Pizzaria do Vito, onde sua pizza sai de graça se não chegar na sua casa em 30 minutos ou menos. A vida do cara muda quando ele é sequestrado por Dwayne e Travis, dois folgados que querem ganhar um dinheiro fácil. Os caras colocam em David um colete com uma bomba armada pra explodir em 10 horas, e com a ajuda de seu amigo Chet, David precisa roubar 100 mil dólares em um banco, desativar a bomba e sair vivo dessa furada.

Eu gostei de:
O filme é engraçado. Não HILÁRIO, mas bem divertido. Tem umas piadas muito bem boladas, sacadas inteligentes e aquelas frases irônicas e enormes, típicas de filmes do Jesse Eisenberg. Apesar do roteiro batido, a gente acaba ficando preso à história. Aquela fórmula de "quando ele tá quase conseguindo, vem uma coisa e dá errado" torna o filme ~emocionante~ dentro das suas limitações.

O Jesse Eisenberg, apesar de ser sempre. a. mesma. coisa, acaba desempenhando bem o papel de entregador de pizza ameaçado com uma bomba mortífera presa ao corpo. Ele não apresenta nada de diferente, mas o que tem tá bom. Não vou reclamar, né? rs.
Esse indiano/colombiano/sei lá também é bem engraçado. Ele está em todos essas comédias pastelonas, e ninguém nunca lembra o nome do cara. Um underdog do besteirol!

O desfecho do filme também é ótimo. Eu pensei em mil maneiras de terminar a história, mas acabei me surpreendendo! Ah, tem cenas depois dos créditos, então assista até o finalzinho. Vale a pena!

Eu não curti:

Ah, gente.. É uma comédia bobinha né? Faz a gente rir, mas é daqueles filmes que a gente já esqueceu tudo depois de uma semana. Acho que eu fui com muita sede ao pote (???) por ser do mesmo diretor que Zombieland (que todos amam <3), e acabei quebrando a cara. 30 Minutes or Less não é daquelas comédias épicas cheias de piadas marcantes e tal. Passa longe, na verdade.

Outra coisa ruim é a Dilshad Vadsaria (olha o nome dessa quenga UAHHAUAH) que tá ótima como aquela vilã maravilhosa em Greek, mas é uma grande bosta como namorada do mocinho em 30MOL (kes que abrevia). A atuação dela tá bem fraquinha, e a personagem dela é super dispensável. Mas como isso aí é comédia pra macho, tinha que ter uma mulherzinha rs.

Mas e aí? Vale a pena?
Olha, vale sim. Vale pelo momento. Tem boas piadas, faz rir e cumpre sua função. Só não espere nada além disso. É um filme tão regular que eu nem sei mais o que dizer, bjo.


Você vai gostar se...
Se gosta dessas histórias onde um jovem desajeitado se mete com a máfia e tem que arrumar dinheiro a qualquer custo pra sobreviver. Se gosta do Jesse Eisenberg, esse é um bom filme pra você. Ele tá beeeem Jesse Eisenberg, nem melhor nem pior. O de sempre. E se a vida tá amarga, judiando de você, assiste esse filme. Vai te fazer dar umas risadas.

Em uma frase de sabedoria: Sometimes fate pulls out its big ol' cock and slaps you right in face. 

29/11/2011

A Via Láctea

A Via Láctea
Ano: 2007
Com quem? Marco Ricca (O Coronel e o Lobisomen), Alice Braga (Eu Sou a Lenda) e Fernando Alves Pinto (Nosso Lar).

É sobre o quê?
Heitor e Júlia estão juntos há 3 anos. Depois de uma discussão por telefone, os dois acabam terminando. Determinado a fazer sua namorada voltar atrás em sua decisão, Heitor sai de casa de carro e vai atrás dela. Só que o trânsito em São Paulo está todo engarrado, e durante o caminho até a casa da ex (que parece durar uma eternidade), Heitor vai relembrando a história de como se conheceram, momentos que viveram juntos e tudo que aprendeu a respeito do amor, dos ciúmes, da vida e da morte.

Eu gostei de:
Apesar de já ter virado bem comum esses romances onde a gente vai conhecendo a história do casal protagonista através de flashbacks, A Via Láctea é completamente diferente e original. O filme se passa quase todo dentro do carro de Heitor, e o que acontece fora dele são apenas lembranças. O cenário e as pessoas que estão na rua acabam participando de tudo, como se a cidade de São Paulo tivesse parado para contar a história de Heitor e Luísa.

Aliás, São Paulo é quase que um terceiro protagonista. O filme mostra cenas espalhadas por toda a cidade, e até mesmo a Paulista engarrafada às 6 da tarde se torna um lugar lindo. Tudo é lindo! O filme é muito poético (afinal, Heitor é escritor) e muitas vezes alguns trechos de poesias de grandes escritores nacionais (não me pergunte quais, pfv) são citados. Mas de uma maneira legal. Não é chato como aquela sua amiga intelectual e deprimida postando Caio Fernando de Abreu no Facebook.

Os diálogos são ótimos, muito bem construídos e interessantes. O filme é cheio daquelas frases que você pensa "hm, isso ficaria legal numa camisa!". A trilha sonora é bem divertida, misturando música clássica com aberturas de desenhos animados. As cenas dramáticas são ironizadas com aqueles "TCHAN TCHAN TCHAN TCHAAAANN" de novela mexicana, e isso tudo tudo, num conjunto, fez de A Via Láctea o meu segundo filme nacional favorito! Só perde para Apenas o Fim.


Eu não curti:
Olha, não sei se eu deveria, mas eu não conhecia essa Alice Braga (que interpreta a Júlia). Ela já fez alguns filmes americanos, e sua página no Filmow tem uma biografia super pretensiosa, como se ela fosse a delícia mais foda dessa geração. Mas não achei ISSO TUDO NÃO.

Pra falar a verdade, achei ela bem fraquinha. Em algumas cenas dava nervoso de tão decoradinhas que as falas eram. Parecia criança lendo jogral do dia da árvore na escola, sei lá. Ela é bonita, toda carismática, mas atua mal. Talvez em inglês ela seja melhor, rs.

Mas e aí? Vale a pena?
Nossa, vale muito! Quando acho um filme nacional tão bom como esse, recomendo para o máximo de pessoas que eu posso. Gosto de criar esperanças de que no futuro, as salas de cinema daqui vão ter espaço pra filmes como A Via Láctea. Não é um filme cult, independente ou "difícil de entender". Mas vocês sabem que aqui no Brasil é muito difícil ver em cartaz filmes que não façam a linha Globo Produções. Então, se você tiver alguma oportunidade de assistir esse filmão (seja em algum festival, em DVD, ou baixando mesmo) pode ver sem medo. Eu recomendo! :)

Você vai gostar se...
Se gosta de literatura, poemas e histórias de amor. Se curte aquelas peças de teatro experimentais onde fica todo mundo peladão, e se (como eu) adora a cidade de São Paulo! Até mesmo se você faz (ou quer fazer) Medicina Veterinária, esse pode ser um filme interessante pra você.

Em uma ~curiosidade~: Você sabia que o brilho das estrelas pode levar anos luz pra chegar até aqui? Então, quando a gente vê uma estrela brilhando no céu, pode ser que ela nem exista mais.

28/11/2011

SAW 3D: The Final Chapter

Jogos Mortais – O Final
Ano: 2010
Com quem? Tobin Bell (Jogos Mortais 5), Costas Mandylor (Jogos Mortais 6), Betsy Russell (Jogos Mortais 4), Cary Elwes (Twister), Sean Patrick Flanery (Santos Justiceiros), Chad Donella (Premonição) e Gina Holden (Premonição 3).

É sobre o quê?
Bobby Daggen (Sean Patrick Flanery) torna-se famoso lançando um livro contando sua experiência de ter sobrevivido uma das armadilhas de Jigsaw. Enquanto isso, novas mortes voltam a acontecer e sentindo-se pressionada por Hoffman (Costas Mandylor), a ex-esposa de Jigsaw, Jill (Betsy Russell), decide contar a verdade para a polícia. Porém os jogos se tornam mais cruéis e, agora, um grande segredo de Daggen desencadeia uma nova onda de terror.

Eu gostei de:
É bem difícil não gostar de alguma coisa em Jogos Mortais, por mais que o filme seja ruim sempre tem algo interessante. Por exemplo, eu gostei de algumas armadilhas mais pesadas que realmente deixaram-me nervoso, alguns dos personagens chamaram minha atenção nessa sequência (o que não aconteceu em SAW V e SAW VI) e alguma coisa no fim da história que dá uma surpresinha mas nem me animou.

Eu não curti:
Assisti ao filme inteiro nervosinho com algumas armadilhas, apesar de metade ser bem sem graça, esperando várias cenas espetaculares e assustadoras. Esperei por nada, porque o filme de espetacular não tem nada. Concordo até com um comentário no Filmow em que disseram que a cena inicial é parece mais uma sátira ao filme do que algo real. Isso porque Jogos Mortais tem uma história de cenas iniciais fantásticas, cinco dos sete filmes tem cenas iniciais de tirar o fôlego.

O elenco é bem fraco, do tipo “uma galerinha bonita, que malha todo o dia e lê o roteiro um dia antes da gravação” ou “Escola Malhação de Atuação”, tem um ou outro que consegue atuar bem, mas no geral você quer mesmo é que todo mundo morra o mais rápido possível. O roteiro também é mais fraco que casa feita de macarrão, é enrolação atrás de enrolação e quando eles decidem resolver toda a história e dar um “fim” do legado de Jigsaw, eles falham. Quando tudo acabou eu já estava dizendo, como o Vinnie diz, AH ME RESPEITA!

Vale a pena?
Não, não vale. Quer dizer, só vale se você realmente quer assistir todos os filmes da franquia jogos mortais e quer se frustrar (ou gostar muito, igual alguns amigos meus) com mais enrolação, vai em frente. Eu acabo por aqui e já não aguentava mais!

Ah, e vale a pena se você quiser ver o Chester do Linkin Park fazendo uma pontinha bem sem graça no filme. Ele aparece em vários filmes por aí, mas esse aqui acho que ele ganhou duas linhas de fala. Que bom, né? Not.
Volante, Y U SO BIG?
Você vai gostar se...
Realmente gosta de Jogos Mortais como nunca gostou de uma barra de chocolate na vida. Ou se você não tem respeito por nada e ninguém e está pouco se importando se o filme é ruim, você só <3 ama tortura <3, e tortura das ruins.

Diria que o filme é assistível, só isso. E acho que só recomendaria por que a Gina Holden é uma linda mesmo em filme ruim. 

Em um alivio: Acabou, diz que acabouuu!

27/11/2011

11 - 11 - 11

11/11/11
Ano: 2011
Com quem? Timothy Gibbs (who?), Wendy Glenn (só faz pontinhas) e Michael Landes (Burlesque)

É sobre o quê?
Joseph Crone é um autor de livros de suspense e ficção. Após a trágica morte de sua mulher e filho num incêncio, Joseph passa a frequentar uma terapia em grupo com pessoas que passaram por traumas semelhantes.

Quando tem a notícia de que seu pai está prestes a morrer, Joseph vai para Barcelona, onde também mora seu irmão, que é pastor. O escritor então passa a ter visões assustadoras várias vezes ao dia, inexplicavelmente no mesmo horário "11:11". Mesmo sendo muito cético, Joseph começa a investigar sobre o significado ocultos destes números...

Eu gostei de:
A ideia é interessante, pois envolve crenças comuns de pessoas reais, com a ficção da história. Todo mundo deve ter ouvido falar do tal dia 11 de novembro de 2011 e o filme tenta explicar mais ou menos sobre do que se trata esta data cabalística.

Gostei de alguns sustos durante o filme... embora a maioria fosse previsível, algumas cenas realmente deram arrepios... (algumas = duas). Eu também curti o desfecho do filme. Normalmente final de história de terror gera muita decepção, mas neste caso, acho que foi uma das poucas coisas legais de todo o enredo.


Eu não curti:
O filme todo!

Embora a ideia inicial seja interessante, o filme é cheeeeio de cenas toscas e diálogos clichês. O personagem principal é teoricamente muito cético e ele faz questão de reforçar isso o. tempo. todo. É muito irritante e faz a gente ter ódio dele rapidinho. Todos os outros personagens são igualmente irritantes e sem nenhum atrativo... que se dane todo mundo! Eu não torci por ninguém ali.

Tem cenas de terror realmente forçadas e desnecessárias, que a gente sabe que estavam lá para nos assustar... só que não. Eu realmente espero sentir medo em filmes como este, mas dessa vez, não pude evitar rir de algumas coisas... não da cena em si, mas da tentativa fracassada do diretor em nos aterrorizar.

Pão de batãããtãã

A maquiagem dos "monstros" é muito tensa, pareciam alguns vilões da série Buffy, A Caça Vampiros (quando tinha um orçamento bem mais baixo). Os efeitos não são nada especiais, o elenco trabalha mal e a direção é muito amadora (e fica beeem evidente). É tudo bagunçado... nossa... para ser sincero: é uma grande bosta! (pardon my french).

E vale a pena?
Não meeeesmo. É muito ruim. Você não se envolve com nenhum personagem, nem com a história ou o mistério. O que vier é lucro, pena que não vem nada... e no fim das contas são 90 minutos (e seu dinheiro) desperdiçados.

É CILADA!

A sorte é que eu não precisei pagar nada! Isso porque eu ganhei os ingressos da Vinny Filmes, por isso decidi ver**.

Você vai gostar se...
Gosta de filmes que deixam a gente aflito e interessado em saber mais e mais sobre os mistérios ocultos do mundo espiritual...... só que ao contrário.

Em um plano:  "Acho que vou virar roteirista viu, porque olha...".


** Aliás, eles vivem sorteando ingressos pelo twitter deles (é a dica... porque muita gente ganha... e eles mandam pelo correio e tal... serve para quase todos os cinemas... acho ótimo).

26/11/2011

Pizza-Delivery: links da semana #38


Links de download de todos os filmes que a gente postou aqui no blog durante a semana. Não ganhamos nada com isso e estamos apenas compartilhando links que já estão disponíveis na internet. Não nos responsabilizamos pelos downloads feitos pelos leitores e pelas maneiras como os filmes serão utilizados. Também não é nosso papel repôr links quebrados.
Pizza-Delivery rola aos sábado aqui no blog. Não precisa mais correr atrás.
A gente entrega na sua casa!

The Help → Link1 / Link 2
SAW VI → Link
Our Idiot Brother → Link
One Day → Link
SAW V → Link
Reservoir Dogs → Link
Rise of the Planet of the Apes → Link

The Help

Histórias Cruzadas
Ano: 2011
Com quem? Emma Stone (Amor a Toda Prova), Viola Davis (Solaris), Bryce Dallas Howard (A Vila), Jessica Chastain (A Árvore da Vida) e Octavia Spencer (Quero Ser John Malkovich).

É sobre o quê?
Em 1962 no Mississippi, durante a guerra civil, a jornalista recém formada Skeeter (Emma Stone) sonha em ser uma escritora, e com sua mente revolucionária, tem uma idéia absurda. Numa sociedade onde negros e brancos não podem se misturar, Skeeter decide escrever histórias de empregadas domésticas e juntar em um livro só, todos esses relatos de como elas são mal-tratadas por suas patroas por serem negras, a fim de mudar a mente preconceituosa das pessoas e acabar com a segregação. 

Eu gostei de:
The Help é um filme maravilhoso, em vários aspectos. O roteiro, apesar de simples, é muito interessante. Apesar de tratar de um tema tão sério como a guerra civil, o filme não perde o humor. Tudo é contado com muita ironia, pra deixar a gente pensando "sério que as pessoas já foram assim?".

Vi muitas situações absurdas. Negros usavam banheiros diferentes dos brancos, empregadas domésticas eram tratadas como objetos, filhos de famílias ricas eram criadas pelas empregadas e os pais pouco se importavam. E no meio de tanta injustiça e preconceito, aparece ELA:

Linda <3
A personagem da Emma Stone é inspiradora. Ela é dessas jornalistas engajadas, mas não é daquelas chatas e feministas. Ela tem ideais, tem a cabeça no lugar, e no meio daquele monte de mulheres que só ligam pra aparências ela é diferente de todas. Muito trainwreck.

O destaque na atuação só por conta da Emma. A Viola Davis está sensacional. Uma empregada doméstica com uma carga dramática muito grande, e muitas histórias pra contar. Dá pra ver o sofrimento na cara dela e chorar junto. Eu chorei umas três vezes, rs. No lado ~malvado~, Brice Dallas Howard é uma vilã e tanto. Uma filha da puta que faz a gente sentir raiva da raça humana! E isso é o mais legal desse filme. A gente sente de tudo. Indignação, pena, raiva, tudo!

Eu não curti:
O filme é realmente muito bom (merece 5 pizzas, pra você ver...) mas tem uma situaçãozinha que ficou mal contada. Vou usar nossa tecnologia anti-spoiler pra desabafar, e quem já assistiu pode concordar ou não comigo: [SPOILER]Aquela empregada da Hilly que rouba o anel pra colocar os filhos na faculdade é presa, e enquanto a polícia tá arrastando a mulher pra fora do ônibus, ela só fica berrando ME DÁ A MINHA BOLSA, QUERO A MINHA BOLSA, CADÊ A MINHA BOLSA???? Eu fiquei esperando que essa coisa da bolsa ia dar alguma merda. Mas nem deu em nada. O que tinha na bolsa dela? pra que esse desespero todo? Sei lá, achei estranho.[/SPOILER]

Acho que é só isso rs.

Mas e aí? Vale a pena?
Vale demais! É um filme longo (tem 2h20) mas vale a pena cada minuto, e não fica chato em momento algum. Vale a pena por vários motivos. Pela questão histórica, pelas atuações maravilhosas, pelos dramas vividos pelos negros durante a guerra civil, pela linda da Emma Stone, e por essas duas que são engraçadíssimas quando estão juntas.


Você vai gostar se...
Se gosta de histórias de superação, onde uma pessoa decide mudar o histórico de uma cidade inteira. Se curte a Emma Stone, se estuda jornalismo, ou se gosta de ouvir histórias que empregadas domésticas contam sobre seus antigos patrões.

Em uma frase: EAT MY SHIT.

25/11/2011

SAW VI

Jogos Mortais 6
Ano: 2009
Com quem? Tobin Bell (Jogos Mortais), Costas Mandylor (Jogos Mortais 5), Betsy Russell (Jogos Mortais 4), Shawnee Smith (O Grito 3), Peter Outerbridge (Jamaica Abaixo de Zero / Nikita) e Athena Karkanis (A Ilha dos Mortos).

É sobre o quê?
O agente Strahm está morto e incriminado como autor das últimas armadilhas de Jigsaw. Enquanto Hoffman continua com a expandir o legado de John, a ex-mulher de Jigsaw, Jill, carrega o último desejo do serial killer.

E claro mais um grupo de pessoas é posta em uma serie de testes para aprenderem a valorizar a vida e, nesse principalmente, a vida dos outros. Uuuuh, mais sangue.

Eu gostei de:
Preciso confessar que dessa vez Jogos Mortais virou um guilty pleasure como nenhum outro, mais do que Jogos Mortais 5. Não tenho como explicar por que o filme é legal, ou bom – whatever – esse tem todos os aspetos para ser um dos piores filmes que você vai assistir. Mas vamos por partes que é bem melhor:

O grande diferencial dos outros é o “draminha” dos personagens, principalmente de Jigsaw, antes ficava aquela surpresa de por que, quem é, e quando foi que tal pessoa se tornou uma peça no legado dos jogos mortais, aqui tem explicação antes mesmo dos jogos começarem, isso fez o filme ter uma cara diferente de todos os outros. Já que conhecíamos o trabalho de Jigsaw há um tempão, eles resolveram mostrar partes que nunca imaginaríamos em um serial killer. Ok, não deu certo, mas eles tentaram.

Os jogos estão absurdos, genais e mais legais do que os SAW V. Não pensei que eles fossem mais apelativos nesse, mas eles se superaram como nunca. As justificativas ficaram tão trash (banais, se preferir) que é isso que dá a graça para o filme, algo como se o quão mais ruim os jogos ficassem mais legal o filme fica. Chegaram a um nível em que tem luta ninja e péssima atuação de escritório dura mais que cinco minutos.

Eu não curti:
O filme é apelativo demais, mas isso acontece por causa do personagem principal depois da morte de Jigsaw, o que deixa tudo bem chato porque que o Hoffman. Desde que ganhou maior importância nos jogos em SAW IV tudo bem ficando bem exagerado por causa dele, o que nivela o filme são os participantes dos jogos e os flashbacks do John e da Amanda. Sem contar que a cena inicial é ridículo, foi a pior cena de todos os filmes EVER!
OH EM GEEH! Fones de ouvindo escutando cd acustico do Fiuk.

Outra coisa péssima é o BAD ACTING do elenco de ‘apoio’. A ex-mulher do Jigsaw não tem outra expressão facial além da “botox”, os figurantes choram iguais os atores de Malhação e, até o ator (Peter Outerbridge) mais importantes nos jogos esquece como atuar. E eu ainda me pergunto por que a galera achava que depois de uma tortura pesada a pessoa sai andando por aí gritando com as paredes “fuck” e fazendo cara de super-herói.

Vale a pena?
Vou ser sincero. Só compensar assistir se você realmente gosta de Jogos Mortais, ou quer terminar a saga, ou gosta de ver sangue falso, ou não tem melhor para fazer e quer continuar sujando o pé na lama com Jogos Mortais. Eu gosto de Jogos Mortais e acho que eles conseguem, das maneiras mais absurdas do mundo, conectar toda a história e todas as peças do jogo do jeito mais legal que um thriller (trash, obviamente) pode fazer.

Você vai gostar se...
Gosta de sangue falso, gente gritando b*tch, f*ck etc, atores da malhação de terno e zoológicos abandonados. Você só vai amar se realmente gosta de Jogos Mortais, só vai gostar se não tem preconceito com filmes guilty pleasure e vai odiar se não gosta de enrolação em filmes que deveriam ter acabado no terceiro.

Em uma pergunta: você gosta de brutalidade?

24/11/2011

Our Idiot Brother

Maluco Beleza ..... (SÉRIO MESMO?)
Ano: 2011
Com quem? Paul Rudd (I Love You, Man), Elizabeth Banks (Três Vezes Amor), Emily Mortimer (City Island), Zooey Deschanel (Sua Alteza), Adam Scott (Parks & Recreation), Kathryn Hahn (Como Perder um Homem em 10 Dias), Rashida Jones (I Love You, Man).

É sobre o quê?
Ned é um fazendeiro de produtos orgânicos e maconha. Ele é muito inocente e confia em qualquer um. O cara gosta de ver sempre o bem nas pessoas... o problema é que ele só se ferra por isso.

Após ser liberado da cadeia (por um ato de ingenuidade), Ned descobre que sua namorada se apossou de sua fazenda e seu cachorro... Sem ter onde morar, ele vai passando pelas casas de suas irmãs: Natalie (uma lésbica em conflito), Liz (uma dona de casa com um marido escrotão) e Miranda (uma jornalista workaholic). E por que tantas casas? Porque o jeitinho de Ned, só dá problemas...

Eu gostei de:
Eu adoro esse estilo "dramedy", quando é bem feito. Tem vários elementos de drama, mas o filme é bem suave, pois sempre há uma dose de humor no meio. Não é um drama que vai te fazer sofrer, nem uma comédia que vai te matar de rir... Mas no fim das contas te deixa feliz. :)

Paul Rudd está muito divertido neste filme e a gente até se simpatiza com o seu jeito idiota de ser e se importa com ele. Ao mesmo tempo, somos cativados pelas suas irmãs... todas tem uma história paralela (que dão o tom dramático, rs). No fim das contas a gente acaba torcendo para 4 ou mais personagens se darem bem! A trilha sonora é bem legal também... bem roots... com várias do Willie Nelson (que por sinal é o nome do cachorro do Ned).

esse elenco <3

Eu não curti:
No geral o filme me agradou muito. O único problema é que houve uma grande dependência do personagem principal para o humor e as outras atrizes que são engraçadas (ex: Zooey e Elizabeth Banks), acabam ficando mais apagadinhas.

Também achei que poderia ser mais emocionante... tipo Little Miss Sunshine (um dos melhores ~dramedy~ rs). Mas não foi tanto assim. Pena... E o final é um pouco apressado, não curti isso.. rs

E vale a pena?
Vale! Se você gosta do gênero. É bem light... e com cenas realmente engraçadas, sem apelações. É bem para ver numa tarde de bobeira, no frio ou com os amigos etc... Se passar na tv, até vejo de novo, rs.

Você vai gostar se...
Gosta de dramas bem humorados. Se curte filmes que falam sobre relacionamento em família, amor de dono por cachorro, filmes gay-friendly, personagens fofos etc. Se você curte o Mike e o Joey de Friends, o Ned me lembrou bastante os dois, rs.

Se você curtiu Little Miss Sunshine ou City Island, é capaz de gostar desse filme também.

Em uma frase: "Pode até ser previsível, mas até que não tem muitos clichês não, viu?".

23/11/2011

One Day

Um Dia
Ano: 2011
Com quem? Anne Hathaway (Amor & Outras Drogas), Jim Sturgess (Across the Universe) e Patricia Clarkson (Vicky Cristina Barcelona).

É sobre o quê?
Emma e Dexter se conhecem no dia 15 de Julho de 1986, depois da festa de formatura da faculdade. A partir daí, o filme conta a história dos dois amigos durante os 20 anos seguintes, mostrando sempre um único dia (o tal 15 de julho) de cada ano.

Eu gostei de:
O filme é baseado no livro de David Nichols que é maravilhoso, um dos meus favoritos, e eu já indiquei pra 96742653567 pessoas. Só por aí já dá pra saber.
One Day é uma história original. Essa coisa de mostrar apenas um dia de cada ano faz a gente ficar preso ao filme do começo ao fim. As sequências não são completinhas. Quando um dia acaba, a gente só fica sabendo o que aconteceu UM ANO depois. É um roteiro que foge do padrão dos outros romances, e eu adorei a maneira como o filme vai mostrando a a passagem dos anos!

Anne Hathaway é minha atriz favorita e, na minha opinião, uma das melhores dessa geração. Ela tá ótima nesse filme. O desafio de One Day é viver o mesmo personagem por 20 anos. Ter uma personalidade marcante, e manter em todas as idades. Anne faz isso de um jeito delicioso. Dá vontade de sorrir assistindo essa menina atuar. O sotaque britânico, as piadas pessimistas da Emma, o figurino que vai acompanhando a moda de cada ano. Impossível não gostar.

Dex + Em <3
Em termos de adaptação, o filme foi bem fiel ao livro (dentro das possibilidades cinematrográficas, claro). Não tem como colocar as 400 páginas do livro num longa de 1h50. Mas os responsáveis pela adaptação do roteiro fizeram um ótimo trabalho. Tiraram o "desnecessário" e foram fiéis em detalhes importantes no livro. E algumas datas ou cenários que foram alterados, não dão aquele sentimento de revolta que algumas adaptações dão na gente.

E tem também o Jim Sturgess, que é um lindo rs.

Eu não curti:
Acho que quando falo bem do filme, acabo exagerando um pouco, por ter me envolvido DEMAIS com os personagens quando li o livro. Talvez o filme não seja ISSO TUDO que eu achei que foi. Talvez seja só um romance, que fala pouco dos personagens em trechos rápidos de cada ano. Talvez o filme nem seja grande coisa pra quem não conheceu o Dexter e a Emma do livro.

E essa dúvida tá me matando.

Mas e aí? Vale a pena?
Sim, vale sim. Sendo espetacular ou não, vale a pena. É um romance bonito, diferente, cheio de altos e baixos. A cada ano, uma reviravolta acontece. Dex e Em se amam, se odeiam, brigam, choram, beijam, viajam, sofrem. E é ótimo acompanhar a vida desses dois num filme tão bonito quanto One Day. O filme é cheio de citações divertidas, e cenas memoráveis!


Você vai gostar se...
Se gosta de histórias com reviravoltas, romances entre amigos, ou se leu o livro que inspirou o filme. Se gosta da Anne Hathaway, não pode deixar de assistir esse aqui. Ela está ótima, não canso de dizer.

Em uma frase: I love you, Dex, so much. I just don't like you anymore.

*CHUIMMMMMM*

22/11/2011

SAW V

Nota Pré-post: sugiro àqueles que não assistiram as sequencias anteriores ao SAW V que não leiam esse post, pois é impossível não colocar nenhum spoiler na hora de avaliar se o filme é bom, mas se você é um daqueles aventureiros que não acha spoiler algo ruim e lê até roteiro de filme antes mesmo de assisti-lo pode continuar tranquilo. Make your choice.

Jogos Mortais 5
Ano: 2008
Com quem? Tobin Bell (Jogos Mortais), Costas Mandylor (A Lenda de Beowulf), Scott Patterson (Gilmore Girls), Betsy Russell (Jogos Mortais 4), Julie Benz (Dexter), Meagan Good (Uma Chamada Perdida) e Greg Bryk (Imortais).

É sobre o quê?
Seguindo o legado doentio de Jigsaw, Mark Hoffman acaba se tornando um herói após a última armadilha do serial killer. Enquanto isso o agente Strahm continua sua investigação sobre o trabalho de Hoffman ao mesmo tempo outro grupo de desconhecidos é colocado em uma série de armadilhas. Nesta sequência da saga de jogos mortais pretende conectar todos os fatos dos filmes anteriores e elevar o nível dos jogos onde o instinto de sobrevivência entra em conflito com sua moral e consciência. Uuuh.

Eu gostei de:
O filme é um guilty pleasure para quem gosta da saga. Eles conseguem juntar todos os outros quatro filmes nessa sequencia de uma maneira bem espertinha, isso prende bastante a atenção do filme. A importância desse filme entre todos os sete é clara, pois há mais fatos sobre Jigsaw e seu legado que sobre o grupo de pessoas e seus “pecados”, as torturas do grupo que está na última (?) armadilha fica até em segundo plano, ou terceiro se você julgar importante a biscate ex-mulher do Jigsaw.

Outra coisa legal são as armadilhas e as explicações para elas. Bem feitas, ainda artesanais, mas chocam mais que as armadilhas do segundo filme que, em minha opinião, é bem mais sentimental que agoniante. Nesse aqui tem um quê de absurdo, um exagero necessário para fazer o expectador não dar pause no filme. Eu assisti ao filme no escuro, quando faltou luz, em um silêncio tenebroso, mas mesmo assim continuei assistindo porque não conseguia não me importar com tantos mimimis do filme. Talvez porque eu goste bastante de Jogos Mortais, mas tenho quase certeza o filme prende a atenção.


Eu não curti:
Um EPIC FAIL do filme é o fato de ignorarem a existência da Amanda. Como fizeram essa burrada? Ela era incrível quando se tratava de ser psicótica, maluca, esquisita, de longe a minha personagem favorita nos filmes. Em Jogos Mortais 5 ela praticamente é só um corpo morto em um flashback. ELA ERA IMPORTANTE, POXA! Ela ajudou tanto o Jigsaw nas armadilhas, era devota a ele e sofreu bastante para alcançar o objetivo de seu mestre, então acho horrível a ideia de ignorar sua existência e ser menos que uma peça no jogo do filme.
Chama o Adnet!
Vale a pena?
Vale sim. O filme entretêm bastante, então se você estiver pouco interessado na, não vai odiar o filme, vai gostar dele pelos joguinhos legais. O legal dos filmes é você se imaginar no lugar da galera nas armadilhas, nisso em SAW V tudo é mais tenso, mas não consegue estabelecer uma conexão entre os personagens e a gente. Pouco importante quem fez o quê, todo nesse tem é antipático e irritante. No geral é um filme bem legal, mas não alcança SAW III, meu preferido.

Você vai gostar se...
Gostou dos quatro filmes anteriores, se gosta de toda a saga Jogos Mortais ou se é um maluco que gosta de tortura. Ou sangue, tem sangue para todo mundo aqui, e água mineral.

Em uma pergunta: O que a curiosidade fez com o gato?

21/11/2011

Reservoir Dogs

Cães de Aluguel
Ano: 1992
Com quem? Harvey Keitel (O Piano), Steve Buscemi (Boardwalk Empire), Chris Penn (Footlose), Tim Roth (O Incrível Hulk), Michael Madsen (Thelma & Louise), Quentin Tarantino (Grindhouse).

É sobre o quê?
Depois que um simples assalto a uma joalheria dá errado, uma quadrilha de criminosos se reúne num armazém para discutir o próximo passo. Enquanto eles tentam saber o paradeiro dos parceiros (que podem sido pegos pela polícia ou morrido), a equipe discute a possibilidade de alguém do grupo ser um informante da polícia.

Eu gostei de:
É Tarantino, bebê. O primeiro longa do diretor/roteirista/ator.

O roteiro é demais. Parece tudo muito verdadeiro, seja pelos diálogos que, como eu sempre digo, só o Tarantino consegue escrever, ou pelas atuações do elenco todo. TODO. Parece que a gente tá lá no armazém, querendo apontar o dedo e acusar alguém.

Pouca coisa de fato acontece. A maior parte da história se passa no mesmo cenário, exceto por alguns flashbacks contando a história dos personagens. E é por esses flashes que a gente conhece cada um, e tenta julgar quem foi o fdp do informante. Mas na realidade esse mistério nem importa muito. O interessante é assistir... e não esperar para ver o que acontece no final. rs.

Eu não curti:
Já ficou bem claro que eu sou paga pau. Mas achei que não houve uma direção marcante como em outros filmes que eu assisti. Quer dizer, a direção dos atores sim... mas como muita coisa se passa no mesmo lugar, não há nada de diferente, ou chamativo.

Acho também que poderia ter empolgado mais. Por mais que seja legal assistir e ficar meio imparcial com os personagens, eu sempre sinto falta de ter um personagem por quem torcer. Mas o filme é muito badass e descontraído para acontecer esse tipo de coisa.

Outra coisa foi o fato de não ter UMA mulher sequer no filme, o que é uma pena, porque as mulheres do Tarantino são sempre fodonas.


E vale a pena?
Claro! Eu tenho um grande problema que me impede de assistir filmes que todo mundo comenta e adora. Por isso enrolei tanto para assistir esse filme (sou desses que não viu Avatar, UP, A Noviça Rebelde, O Poderoso Chefão... AINDA). Só que vale a pena perder um tempo com Reservoir Dogs. Não é daqueles cults mala da vida. É realmente legal, mesmo sendo um pouco parado.

trust no bitch

Você vai gostar se...
Gosta de filmes sobre criminosos, máfia, sangue e panz. Ou sobre confiança e traição, meio que Os Infiltrados (aliás, tem bastante coisas em comum entre estes filmes) etc. Se você gosta dos filmes do Tarantino, crie veronha na cara como eu e veja.

Em uma frase: "Nunca tinha pensado a fundo sobre a letra de Like a Virgin, rs

20/11/2011

Rise of the Planet of the Apes

Planeta dos Macacos - A Origem
Ano: 2011
Com quem? James Franco (127 Horas), Freida Pinto (Quem Quer Ser um Milionário?), Brian Cox (A Supremacia Bourne) e Tom Felton (Harry Potter).

É sobre o quê?
Will (James Franco) é um jovem cientista que há 5 anos está trabalhando num medicamento para curar o mal de Alzheimer. No laboratório onde Will trabalha, os testes de remédios estimulantes eram feitos em macacos, mas depois de uma ~grande confusão~ todos os primatas são eliminados da empresa. Exceto Cesar, um bebê macaco abandonado que Will acaba levando pra casa. O que o cientista não sabe é que a genética modificada da mãe de Cesar passou pro filho, e fez dele o primeiro supermacaco de uma geração que vai dominar a cidade de São Francisco. E você não vai querer estar lá quando centenas de macacos inteligentes começaram a invadir as ruas, reivindicar por seu espaço e causar uma grande revolução.

Eu gostei de:
MACACOS. INTELIGENTES. REVOLUCIONÁRIOS. Como não gostar dessa delícia?
Todo o elenco animal do filme foi criado digitalmente, e dessa maneira, não tivemos nenhum macaco ferido s2. Os bichos são tão reais que às vezes eu me perguntava se era cg mesmo. Exceto pelo Cesar, que é um macaco inteligente que faz coisinhas que nenhum macaco de verdade faria. Nem esses adestrados.
O filme me prendeu 100% do tempo, e eu não dei uma paradinha nem pra pegar Coca, nem pra ver o twitter, nem pra trocar o notebook de posição (eu geralmente faço isso bastante).
É muita ação, muita emoção, rs. Esse filmes com mutações genéticas já deixam a gente naquele estado de alerta. Qualquer momento a gente sabe que vai dar uma merda fenomenal. E essa expectativa foi ótima!

O filme, evidentemente, fala sobre a origem dos macacos inteligentes dos outros filmes da franquia Planeta dos Macacos. E isso tudo fica bem claro, numa explicação bem lógica e coerente. Vale a pena destacar a cena do ataque na ponte, que daqui a alguns anos pode ser mostrada como uma cena clássica. Não sei se eu estou falando besteira, mas achei sensacional!

DEVOLVE MEU CHIPEEEEEEE!
(eu usando piada do vídeo mais aintigo da internet, desclp rs)
Tom Felton tem um personagem escrotíssimo, e apesar de continuar com os mesmos ~trejeitos~ de Draco Malfoy, gostei dele em outro personagem. E o James Franco, apesar de não ser o grande destaque do filme, sempre consegue ser ótimo quando ele aparece. 

Eu não curti:
O filme fica passeando entre dois núcleos: o dos humanos e o dos macacos. E, pra falar a verdade, o núcleo humano é meio boring. Mesmo com Tom Felton. Mesmo com JAMES FRANCO. A gente fica torcendo pra parte deles acabar e voltar pros macacos (que são bem mais legais rs).

Também achei o romance de Will e Caroline beeem forçado. Mas como esse não era o foco do filme, acho que nem dá pra apontar como um ponto negativo.

Mas e aí? Vale a pena?
Vale demais. Me arrependi bastante de não ter assistido em 3D no cinema. É um filme emocionante, cheio de ação, cenas empolgantes, épicas e ~*maravilhosas*~ . Bom pra alugar e ver com a família toda, ou com os amigos. É um filme bem galera, sabe? Todo mundo vai curtir. E não precisa ter assistido aos outros Planetas dos Macacos pra entender, justamente por esse aí ser >A ORIGEM<.

Você vai gostar se...
Se gosta de filmes cheios de efeitos fodas e computação gráfica por todo lado. Se gosta dessas polêmicas envolvendo testes de medicamentos em animais, se curte ação, e cenas de rebelião. Se você é revolucionário ou se gosta de macacos, apenas.

Em um funk bem apropriado: TÁ DOMINADO TÁ TUDO DOMINADO

19/11/2011

Pizza-Delivery: links da semana #37

Links de download de todos os filmes que a gente postou aqui no blog durante a semana. Não ganhamos nada com isso e estamos apenas compartilhando links que já estão disponíveis na internet. Não nos responsabilizamos pelos downloads feitos pelos leitores e pelas maneiras como os filmes serão utilizados. Também não é nosso papel repôr links quebrados.
Pizza-Delivery rola aos sábado aqui no blog. Não precisa mais correr atrás.
A gente entrega na sua casa!

Enchanted 
Link / Legenda
The Yellow Handkerchief → Link
Conan, the Barbarian → Link
Faces in the Crowd → Link
The Hole → Link
The Be All and End All → Link

Enchanted

Encantada
Ano: 2007
Com quem? Amy Adams (Casa Comigo? / O Vencedor), Patrick Dempsey (Grey’s Anatomy / Transformers: O Lado Oculto da Lua), James Marsden (Hop – Rebeldes Sem Páscoa), Timothy Spell (Harry Potter / O Discurso do Rei), Idina Menzel (Rent / Glee), Susan Sarandon (Thelma & Louise) e Julie Andrews (O Diário da Princesa).

É sobre o quê?
A bela princesa Giselle (Amy Adams) vive a cantar sobre seu príncipe encantado, porém ela é banida do seu mundo mágico por uma rainha malvada. Então ela vai parar em Nova York dos dias atuais, um local completamente diferente de onde vivia. Logo ela recebe a ajuda de Robert (Patrick Dempsey), um advogado divorciado que tenta ensinar a filha pequena como ser feliz nesse mundo cruel. Na tentativa de resgatar Giselle, o príncipe Edward (James Marsden) deixa o mundo mágico em busca de sua amada, o que causa uma confusão sem limites na grande cidade de NY.

Eu gostei de:
O filme é muito fofo e eu gostei dele por completo! A ideia do filme é ótima: Giselle é uma caricatura de todas as princesas clássicas da Disney. Ela parece a Belle (A Bela e A Fera), anda e fala com os animais como a Branca de Neve, dança e sofre como a Cinderela e vive como a Rapunzel. Isso tudo junto fica muito engraçado quando se ela se choca com o “mundo real”, como se eles tivessem jogado uma princesa da Disney em uma comédia romântica nova-iorquina.

Amy Adams rouba o filme inteiro com a Giselle. Os absurdos que ela fala me fizeram gargalhar até perder o ar, mas o engraçado que quando isso acontece em animação é só fofo e romântico. Quando colocado em uma perspectiva real fica machista e absurdo, e em Encantada eles brincam com isso toda hora.

A trilha sonora é incrível, a Amy Adams está incrível também, seja atuando ou cantando – os dois, porque princesa da Disney que não canta sobre escovar os dentes, não é princesa da Disney –, os outros personagens não são ruins porém nada muito significante quanto Giselle.

Eu não curti:
A rainha malvada é chata e sem graça. Nem com os clichês de rainhas malvadas ela consegue me agradar, por mim ela podia é morder uma maçã envenenada e dormir o filme inteiro, porque eu nem ia sentir falta. Eu gosto bastante da Susan Sarandon, mas ela está tão sem graça aqui que acho que para rainha malvada ela não serviu muito bem, infelizmente. Já o James Marsden eu não consigo gostar nenhum pouquinho. Gawd, ele é péssimo, né?! Até para um personagem caricato ele fica chato. Desculpem, mas ele não me convence nem dormindo.

Vale a pena?
Bastante! O filme é uma delicinha (como diria o Vinnie) de assistir. É engraçado, fofo, romântico, tem tudo que os clássicos da Disney têm e um pouco mais. Tudo bem que existem aqueles clichês de comédia romântica, mas fuq da police porque eles não desmerecem o filme em nada e essa é a graça de Enchanted, os clichês com uma cara diferente com uma pitada de real life.

A Amy Adams está tão incrível que eu não imaginava gostar tanto dela igual estou gostando agora, mal posso esperar para ver o filme dos Muppets e ver essa linda cantando e atuando fofamente por aí. Com Amy Adams a risada é garantida – LOL.
LOOK AT ALL THE FOFOS I GIVE
Você vai gostar se...
Gosta de cenas absurdamente engraçadas, de princesas trainwreck, da Disney, de musicais e comédias românticas. Se você quer aprender como fazer vestidos lindos, como limpar a casa, como encontrar o seu amor verdadeiro, Enchanted te ensina isso em passos simples.

O filme é lindo, com uma trilha sonora linda, com a Amy Adams linda e tudo lindo. Virou um dos meus favoritos da Disney, sem dúvidas.

Se você assistiu (500) Dias Com Ela, você vai encontrar em Enchanted a mesma cena musical que tem no filme. Aquela com todo mundo vestido de azul, lembra? É daqui que eles tiraram aquela cena linda.

Em um música fofa:



17/11/2011

The Yellow Handkerchief

O Lenço Amarelo
Ano: 2008
Com quem? William Hurt (Na Natureza Selvagem), Maria Bello (O Clube de Leitura de Jane Austen / Show Bar), Kristen Stewart (O Silêncio de Melinda / Twilight), Eddie Redmayne (A Outra).

É sobre o quê?
Três pessoas forever alone acabam se juntado numa road trip por Louisiana. Gordy, o dono do carro, é um garoto estranho e meio infantil que, por gostar de Martine, decide levá-la para passear um dia. Mas Martine não está nem aí para ele e só topa, para deixar um outro garoto com ciúmes. O terceiro passageiro é Brett, um ex-presidiário sem rumo que aceita a carona oferecida pelos jovens.

Durante a viagem, surge um sentimento de amizade entre os três, mas Brett ainda é assombrado por uma mulher do seu passado.

Eu gostei de:
A história é simples e gostosinha de assistir. Enquanto somos cativados por alguns personagens, ficamos querendo saber qual é a do misterioso ex-presidiário. Os sentimentos de incompreensão e solidão dos personagens também são fáceis de se identificar e nos simpatizamos instantaneamente.

A atuação da Maria Bello está muito boa, mas quem rouba a cena mesmo é o Gordy (Eddie Redmayne). Ele é muito, muito esquisito... às vezes irrita, às vezes é adorável e me lembrou o Leonardo DiCaprio em What's Eating Gilbert Grape. Ok, nem tanto...

Eu não curti:
Por mais que seja um filme bonito, é um pouco sem graça demais. Geralmente nessas histórias de road trip, os personagens passam por várias situações difíceis ou inusitadas que os aproximam. Neste caso, não. Pouca coisa acontece e muito tempo é focado no ex-presidiário, que tem uma história linda, por sinal.... mas mesmo assim... os outros dois personagens pareciam tão interessantes, mas são muito apagados e pouco acontece com eles.

Acaba que fica um pouco sem sal.

Outra coisa que tenho que ressaltar é a atuação da Kristen nesse filme. Eu nunca tive preconceito com ela, ainda mais porque eu acompanhava a carreira dela antes dos filmes de Twilight... mas nesse filme, SOCORRO... um pouco vergonhoso. Ela foi exatamente a mesma coisa sem gracinha de vários outros filmes, só que com um sotaque sulista muito, muito zuado. A Kristen não pode fazer qualquer tipo de papel e esse, com certeza, não era pra ela.

IN. TEN. SO

E vale a pena?
Not really. Não é um enredo muito envolvente. Mas dá para passar o tempo... dá até para chorar, viu? (afinal sou eu, né?). Deve ser bom pegar passando na tv, de madrugada e tal...

Você vai gostar se...
Gosta de filmes simples, com personagens diferentes e misteriosos. Se você curte um romancinho/draminha indie, é bem assim The Yellow Handkerchief...

Em um ~desabafo~: "Eu fico indignado com a palavra HANDKERCHIEF! Sério... é muito grande para um paninho de bolso".

Conan, the Barbarian

Conan, o Bárbaro
Ano: 2011
Com quem? Jason Momoa (Stargate: Atlantis), Stephen Lang (Avatar), Rachel Nichols (Star Trek) e Rose McGowan (Doom - Geração Maldita / Charmed).

É sobre o quê?
Conan é um rapaz nascido no campo de batalha. Cresceu criado pelo pai guerreiro e nunca conheceu a mãe. Ainda criança, ele vê toda a sua aldeia ser destruída e seu pai assassinado por um mago chamado Khalar Zym, que está completamente obcecado em juntar os pedaços de uma máscara que o dará o poder de um deus.
Conan cresce com esse desejo de vingança que não irá parar até que ele acabe com a vida do homem que matou seu pai e destruiu seu povo.

Eu gostei de:
É um filme com muita ação, muitas batalhas, muito sangue! Pra quem gosta de duelos de espada e porrada, o filme tem cenas ótimas. Os efeitos especiais em alguns momentos são bem interessantes. Destaque para os guerreiros de areia que enfrentam o Conan numa cena que eu já tinha até visto no trailer.

Alguns personagens são ótimos. Marique (filha do mago loco da máscara) é uma feiticeira poderosa, com umas unhas de metal. Bem malvada, bem bitch. Adorei ela, rs. O Conan Criança também é todo bad ass. O menino luta como ninguém, e faz isso como se fosse a coisa mais natural do mundo. E nas cenas de maior ~emoção~ o pequeno Leo Howard.

Eu não curti:
O filme não empolga. Apesar das ótimas cenas de luta, cabeças por todo o lado, poças de sangue e gritaria, nada me animou em momento algum. A começar pelo protagonista. Conan é um personagem sem graça. A atuação é fraca e nada heróica. Claro que eu não estava esperando um Bárbaro Carismático, mas o filme não faz com que você se importe com Conan. Eu pouco me importei com a família dele, a vingança, as motivações. Só ficava na expectativa de qual seria o próximo a morrer. 


Em alguns aspectos achei o filme muito parecido com Príncipe da Pérsia (que eu amo <3 <3 <3). A sede de vingança, a viagem pelas terras antigas com uma mulher do lado, as batalhas de espada. Só que ao contrário de Jake Gyllenhaal e Gemma Arterton, Conan e Tamara não convencem como casal. Eles se apaixonam do nada, e vivem um namorico super forçado, que não dá tesão nenhum ao assistir. ALIÁS, essa mulherzinha é a personagem mais xarope do filme inteiro. Só arruma problema, só grita, só reclama e não é fodona em momento algum (ao contrário da linda Tamina do Príncipe da Pérsia, rs).

Sem mais comprações, rs.

Mas e aí? Vale a pena?
Não é nenhum filmão, mas se você gosta dessa temática pode até curtir. Pra quem não sabe, o filme é uma refilmagem do Conan de 1982. Eu não assisti, mas todo mundo fala que é bem superior à essa nova versão. Quem sabe assistir ao filme original não seja uma ideia melhor?

Você vai gostar se...
Se curte histórias com bárbaros, muito sangue e batalhas épicas, viagens por terras desconhecidas e essas coisas de nerd que curte rpg.

Em um pedido de desculpas: Esse post ficou bem fraquinho, mas o filme não ajudou. Dsclp ae rs.

16/11/2011

[Trilha Sonora] The Green Album

Os Muppets 

O novo filme dos Muppets está mais incrível do que nunca e pronto para ser um novo sucesso dos fantoches mais legais do mundo. O álbum com a trilha sonora do filme já saiu e eu garanto que tem muita música legal, por exemplo: "We Built This City" do Starship, "Smells Like Teen Spirit" do Nirvana, "Forget You" do Cee-Lo Green e muitas outras. As músicas originais também são legais, destaque para “Me Party” com a Amy Linda Adams e a Miss Piggy. Infelizmente eu não vou postar sobre ela aqui, ela tem muitos spoilers e eu não quero estragar o filme para ninguém, quero é ver todo mundo dia 2 de dezembro nos cinemas. O filme conta com a participação de Jane Lynch, James Black, Danny Trejo, Lady Gaga, Chris Cooper, Zach Galifianakis etc. Tem muita gente legal!

Esse álbum verde e lindo, The Green Album, é cd comemorativo para o novo filme dos Muppets. Nele vários artistas regravaram os grandes sucessos dos fantoches durante toda sua história, alguns continuaram com o estilo musical original e outros deram uma modernizada nas músicas. Amy Lee cantando Halfway Down the Stairs com um quê de pop, tem os nerds do Weezer com a Hayley linda Williams (que canta a parte da Miss Piggy, hahaha) e o Andrew lindo Bird fazendo a gente chorar com suas versões tristinhas das música, The Fray se divertindo com Mahna Mahna Tu Tu ru Tu ruuu e outros lindinhos da música. Se você ainda não se convenceu, que tal olhar o clipe que o OK Go com os Muppets estragando tudo? Muita explosão, confusão e Inception.


A Lista Mais Linda Da Cidade:
01. "Muppet Show Theme Song" - OK Go  
02. "Rainbow Connection (feat. Hayley Williams)" - Weezer  
03. "Mahna Mahna" - The Fray   
04. "Movin' Right Along" - Alkaline Trio
05. "Our World" - My Morning Jacket  
06. "Halfway Down the Stairs" - Amy Lee  
07. "Mr. Bassman" - Sondre Lerche
08. "Wishing Song" - The Airborne Toxic Event  
09. "Night Life" - Brandon Saller  
10. "Bein' Green" - Andrew Bird  
11. "I Hope That Something Better Comes Along" - Matt Nathanson  
12. "I'm Going to Go Back There Someday" - Rachael Yamagata  


Se você quiser ficar verde de felicidade você vai baixar esse álbum lindo agora!