25/03/2012

Romeo + Juliet

Romeu + Julieta
Ano: 1996
Com quem? Leonardo DiCaprio (O Homem da Máscara de Ferro / J.Edgar), Claire Danes (Stardust – O Mistério da Estrela / Garota da Vitrine), John Leguizamo (Mistério da Rua 7), Pete Postlethwaite (A Origem), Paul Rudd (Eu Te Amo, Cara) e muitos outros atores famosos.
Diretor: Baz Luhrmann


É sobre o quê?
Acho que quase todo mundo conhece a trágica história de Romeu e Julieta. É um dos maiores dramas de Shakespeare que conta a história de dois jovens de famílias rivais que se apaixonam. Entre as dificuldades, a força do amor e os conflitos familiares, os dois decidem ir até o fim com seu relacionamento. E nessa versão de 1996 todo mundo é hipster.

Eu gostei de:
Que versão sensacional! Tudo que foi atualizado para um mundo moderno no filme deu certo. Verona foi transformada em “Verona Beach”, com vários arranha-céus, carros esportivos e helicópteros. Os Capuletos e os Montéquios agora são famílias poderosas e donas de grandes corporações, com gangues que lutam pelo território da cidade litorânea. As espadas são armas e as roupas clássicas viraram moderninhas e (quase) hipsters. Essa vibe Califórnia deixou a história sensacional, ainda mais porque a trilha sonora é típica de festa a fantasia 90s.


Fora as atualizações na história, o que me agrada mais no filme é o exagero que o diretor Baz Luhrmann (e também roteirista) coloca nos diálogos originais da peça. Como a época é da televisão, do toca-fitas e do coletinho de paetê, a parte tragicômica do drama Shakespeariano fica mais exaltada que no teatro. No começo eu fiquei com WTH? na cabeça tentando entender essa confusão toda, com atuações mais cômicas, mas aos poucos fui apreciando mais e deixando a desconfiança de lado.

Acho que o mais legal de tudo é, que apesar do cenário mais atual e dos personagens com características diferentes, o filme é fiel ao drama original. Não só nos diálogos, mas no enredo construído pelo meu amorzinho William Shakespeare. Na peça existe o uso do humor de dos personagens secundários para deixar o público mais agoniado com o destino dos ~dois pombinhos~. Quando a história parece perder a noção do ridículo e esquecer os protagonistas, é só uma tentativa de prender nossa atenção e você ficar gritando que nem fã do Bieber “mas e o Romeu? E a Julieta? SOCSOCORRRR E os dois? Aaahh!!”. Digamos que isso é um bom exemplo de inquietação após “cenas do próximo capítulo”.

Julieta diz: tenho um spoiler pra te contar
Romeu diz: ಠ_ಠ
Eu não curti:
Por mais que eu goste de uma estética exagerada, com uma edição mais trash e sangue com cara de groselha, Romeu + Juliet é demais para uma cabeça só. Como se alguém tivesse misturado os filmes do Gregg Araki e do Quentin Tarantino com Telephone da Lady Gaga. Tudo fica mais divertido, mas isso cansa bastante. Aos 25 minutos do filme eu já estava cansadíssimo.

Talvez o filme seja um guilty pleasure para alguns ou uma vergonha alheia para outros. Eu acho que o sincero amor entre os jovens protagonistas ficou um pouco de lado. Se não fosse as atuações incríveis do Leonardo DiCaprio e da Claire Danes, essa produção seria um desperdício gigantesco de tempo e dinheiro. E olha que o filme fica perto de ser horrível.

Vale a pena?
Sem dúvida alguma. Tudo o que você imaginou quando leu o drama ou quando assistiu à peça, está no filme. Os conflitos, os delírios amorosos, a pureza, os pecados e o humor estão bem representados nessa versão psicodélica. Um trabalho assim não pode passar despercebido por alguém que gosta de cinema ou Shakespeare, eu não sei se chega a ser um MUST SEE, mas eu recomendo bastante.

  ♥ ♥ ♥   Essa cena    ♥ ♥ ♥ 

Você vai gostar se...
Gosta de Leonardo DiCaprio, ainda mais novinho e todo apaixonado. Se gosta de Gregg Araki e Quentin Tarantino, em Romeo + Juliet você consegue sentir um pouquinho dos dois em pitadinhas bem leves. Agora, se você já desconfiou do melhor amigo de Romeu, o Mercúcio, assista ao filme e descubra que ele significa.

Em uma solução para essa tragédia: o que a falta de uma sms ou um tweet não fazem, né?



Sobre o Autor:
Kabe Kabe. Eu costumo prestar atenção em detalhes sem relevância nos filmes e expandir a história na minha cabeça antes mesmo dos créditos iniciais começarem. Um filme perfeito seria aquele sem gênero definido em que a Elle Fanning chora com um Alien de bow tie enquanto o espaço explode em slow motion. Ah, e eu converso com os personagens. [Perfil completo]

7 comentários:

  1. Uma coisa que eu não gosto desse filme é que ele é todo moderninho, mas tem umas horas que eles falam certinho demais, rs. Tipo eles usam armas de fogo no filme, as famílias são gangues, eles falam palavrão e tudo mais e em algumas cenas mais romanticas o Romeo fala tudo com linguagem formal, eeeer, why? HAHA.

    ResponderExcluir
  2. @isabella prq eles usam os diálogos originais :) yep, it's foda like that <3

    filme bom pra caralho.
    baz luhrmann ganhou meu coração com esse e depois só confirmou com mulã ruge~

    e eu que nunca fui de ligar pra leo dicaprio acho que aqui ele está at his finest hihi

    ResponderExcluir
  3. Simmm, achei isso legal, mas achei meio estranho a linguagem formal com o cenário moderno, sei lá, HAISAHISA.

    ResponderExcluir
  4. O mais cool deste filme são os diálogos arcaicos... achei ótimo.

    um dos meus preferidos.

    ResponderExcluir
  5. só o leonardo di caprio nesse filme já é um must see.

    ResponderExcluir
  6. Só eu que acho que os dois não tem quimica nenhuma? Hahaha sério

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir