• Cloud Atlas: Uma viagem pela história da humanidade.

  • Gangster Squad: Emma e Ryan sendo uns lindos.

  • Les Misérables: ♫ But the tigers come at niiiight ♫

27 de fev de 2013

Red State

Seita Mortal
Ano: 2011
Com quem? Michael Angarano (Sky High), Nicholas Braun (As Vantagens de Ser Invisível), Kyle Gallner (Evocando Espíritos), John Goodman (Argo), Melissa Leo (Conviction/O Vencedor), Michael Parks (Django Unchained/Kill Bill),

Direção: Kevin Smith (Dogma).

É sobre o quê?
Três adolescentes que moram no interior dos EUA recebem um convite para sexo com uma mulher mais velha de uma cidade vizinha. Os rapazes acabam topando e marcam um programa, porém tudo não passa de uma armadilha e eles se veem presos em uma igreja cheia de fundamentalistas fanáticos, que têm por missão livrar o planeta de todas as pessoas consideradas pecadoras.

Eu gostei de:
A ideia é bem interessante, é baseada naquela Igreja Batista de Westboro, que tem o adorável slogan de "God Hates Fags". Só que neste filme eles são muito mais hardcore e, além dos protestos de sempre, também assassinam homossexuais e pessoas "depravadas" nas horas vagas.

só gente fina...

O filme começa bem tenso e, mesmo que a gente não conheça (ou até mesmo goste) dos personangens principais, é impossível não nos importar com eles, afinal é tudo muito absurdo e injusto.

"I'm not even gay!!!"

O filme tem um roteiro bem legal e diferente. Tem alguns diálogos engraçados e, ao mesmo tempo, cenas de violência e tiroteio. O pastor e líder da igreja é completamente insano e é impressionante como ele consegue encontrar na bíblia todas as "justificativas" para cometer assassinatos e levantar uma guerra contra os homossexuais. E o cara faz tudo isso no maior estilo lavagem cerebral (pure evil). Além disso, a Melissa Leo e o John Goodman estão ótimos.

"This should be simple...."

Eu não curti:
Bom, eu esperava um filme de terror, bem tenso mesmo, mas não é exatamente assim. A primeira metade do filme é sim tensa e eu estava achando ótima... só que depois de uns 20 twists and turns, vira um filme de ação haha.

O fato de não ter exatamente por quem torcer também prejudica um pouco nosso envolvimento com o filme. Então parece que ninguém é exatamente bonzinho e no fim das contas a gente só quer sangue e fica:


(mas pelo menos a gente sabe que o povo da igreja é tudo fdp rs)

E vale a pena?
Eu achei que valeu. Não foi tão tenso e aterrorizante como eu esperava, mas de qualquer forma eu fiquei bem entretido. O roteiro não é nada previsível e rolam muitos tiros pra deixar a gente animado. Afinal, quem não gostaria de ver uma galera metralhando a casa do Bolsonaro ou do Malafaia.

Você vai gostar se...
Curte filmes com um ar de Tarantino, cheio de surpresas, gente louca e obcecada. E, também, se gostaria de ver alguém finalmente enfrentando um destes grupos de religiosos fanáticos.

Em uma vontade quando vejo que existem pessoas ignorantes assim na realidade: 




Sobre o Autor:
VinnieVinnie. Eu não tenho filtros e vejo qualquer tipo de coisa. Gosto de drama, ação, terror, comédia e não tenho preconceitos (vou de cult a blockbusters e trashões). Sou fanático por premiações e futilidades de Hollywood. Odeio spoilers mais que tudo. [Perfil completo]


19 de fev de 2013

Gangster Squad

Caça aos Gângsteres
Ano: 2012
Com quem? Josh Brolin (Jonah Hex), Sean Penn (I Am Sam), Ryan Gosling (Drive), Emma Stone (The Help), Nick Nolte (Warrior)

Direção: Ruben Fleischer (Zombieland)

É sobre o que?
Na Los Angeles dos anos 40, o gângster Mickey Cohen domina a cidade controlando não apenas o crime, mas também os policiais e políticos da cidade. Nesse contexto, surge um esquadrão ~por debaixo dos panos~ encarregado de acabar com as operações de Cohen, formado por policiais e sendo liderado pelo sargento O'Mara.
Ps. baseado em uma história verdadeira.

Eu curti:
O elenco foi a minha parte preferida do filme. Ryan Gosling e Emma Stone são alguns dos meus atores preferidos, e eu acho que sempre que aparecem, brilham. É a segunda vez que fazem casalzinho e combinaram tão bem ♥ 

Crazy Stupid Love feelings

O cara que fez o John O'Mara também mandou bem, não conhecia o trabalho dele, não sei se ele é bom mesmo, mas apesar do personagem ser caricato, ele representou bem. E o bônus fica pelos outros policiais que tornam o filme bem divertido, fazem algumas cenas sem emoção ficarem pelo menos engraçadas. 

Um pôster aleatório que eu quis colocar só pq achei lindo


Uma outra coisa que chamou muito a minha atenção foi o cenário. Eles fizeram um trabalho de arte lindo recriando a L.A. dos anos 40. Ficou tudo perfeito! Quer dizer, eu acho né heh. Os restaurantes, as ruas, os clubs, tudo com aquela iluminação charmosa, aquele figurino classudo, até as armas eram bonitas rsrsrs. Amo esses filmes que reproduzem épocas!

Eu não curti:
Assim, eu achei o filme legal, divertido, curti mesmo. Mas vi muita gente falando super mal sobre como era recheado de clichês, como o roteiro era fraquinho e como nem o elenco salvou. Sim, tá bem, talvez seja isso mesmo, mas não deveria tirar o mérito do filme. Li alumas pessoas falando sobre como isso na verdade o caracterizava como uma homenagem aos clássicos policiais antigos, e eu concordo. Assim como o outro filme do diretor, Zumbilândia, pode ser que esse tenha sido feito com o mesmo propósito e ao invés de clichês, ele é cheio de homenagens.
É no que eu prefiro acreditar, porque realmente curti o filme. Mas isso fica a critério de quem assiste, pelo visto é algo bem pessoal. Pode ser que você seja um chato que quer levar todos os filmes do mundo a sério e odeie...

Mas na verdade o que me incomodou mesmo foi a atuação do Sean Penn, que achei exagerada demais pra um ator tão bom, esperava MUITO mais. E o breve "olá" que a Emma Stone deu no filme pq minha gente... ela é linda demais pra ter sido tão pouco aproveitada no filme. Queria mais Emma.

estou decepcionada


Vale a pena?
Vale principalmente por ser um filme polêmico. Se você vê todo mundo falando mal, perde a vontade de assistir, se vê todo undo falando bem pensa "já sei que é bom, nem preciso mais assistir...". Mas esses em que cada um diz uma coisa fica mais emocionante ver. 
Pela beleza do cenário, diria até que vale ver no cinema.

Você vai gostar se...
Se é como eu e curte esses filmes que retratam épocas e se gostou de filmes como Inimigos Públicos e Os Intocáveis (não to comparando, não atirem pedras em mim) e se, assim como eu, ama o casal Remma.

Em um desejo:

Que as pessoas sejam menos malas e aceitem que nem todo filme é feito pra concorrer ao Oscar. Ás vezes os diretores só querem fazer uma homenagem ou um filme gostoso de assistir. Aceitem a realidade. Beijas.


Foi uma nota difícil de dar, mas taí


Sobre o Autor:
Eugenia Eugenia Adoradora de filmes com personagens perturbados, sou maníaca por animações esquisitas e até pelo dedão do Tim Burton. Assisto qualquer coisa, nem que seja pra falar mal depois hehe.[Perfil completo]

15 de fev de 2013

Vamps

Vamps
Ano: 2012
Com quem? Alicia Silverstone (A Arte da Conquista / Clueless), Krysten Ritter (Os Delírios de Consumo de Becky Bloom), Sigourney Weaver (Você de Novo), Justin Kirk (Weeds / Elektra Luxx),

Direção: Amy Heckerling (Clueless - a série).

É sobre o quê?
Goody é uma vampira que foi transformada em 1841, ela mora em um apartamento em NY com Stacy, que foi transformada em 1992. Todas as noites, as duas frequentam as aulas da faculdade, trabalham como exterminadoras de ratos e, ainda, frequentam um grupo de auto-ajuda para vampiros que recusam beber sangue humano.

Eventuamente uma delas se apaixona por um mortal o que pode colocar suas identidades e imortalidade em risco.

Eu gostei de:
Eu quis assistir Vamps por 3 motivos: 1 - tem vampiros, 2 - tem Alicia Silverstone (!), 3 - parecia ser engraçadinho.

E no fim das contas eu gostei apenas da Alicia Silversone, que tem uma personagem bem fofinha, que não entende nada de tecnologias e solta pérolas de History Channel sobre os locais de New York. A Krysten Ritter tá como T.O.D.A.S as personagens que ela já fez na vida.... mas até que é cool.

oin

FIM DO QUE É LEGAL

Eu não curti:
MEU DEUS. Sabe quando você tá bêbado e tem uma ideia que parece genial na hora? E todo mundo concorda? ... e no dia seguinte você pensa: "nossa, que merdaaa haha". Foi mais ou menos o que houve com esse filme, exceto pela segunda parte.

O roteiro é uma bagunça. São inúmeras situações aleatórias e desnecessárias para a trama... Parece que foi feito por um senhorzinho de 70 anos com ajuda de uma menina de 11 anos. A história tenta envolver a gente com os clássicos sobre vampiros do cinema, tipo Nosferatu, Van Helsing e Drácula... mas tudo de uma maneira tosquíssima (ex: drácula tricotando... LOLOLOLOL).

As piadas são muito mongas... não sei nem o que falar, são aquelas coisas que todo mundo já adivinha o que os personagens vão dizer, sabe? Além disso, rolam inúmeras piadas de vampiros usando tecnologias como se fosse a. coisa. mais. engraçada. do. mundo. E eu pensava: "JÁ ENTENDI, ELA NÃO SABE USAR UM CELULAR, TENTEM OUTRA COISA"


Como se não bastasse, ainda tentam fazer umas coisas sobrenaturais com uns efeitos especiais (feitos no paint) tão bons que parecem aqueles filmes da Nickelodeon made for TV. Este foi o MELHOR efeito do filme - sente o drama:


E vale a pena?
NÃO! Não serve nem pra ser guilty pleasure, tipo A Casa das Coelhinhas, ou As Apimentadas etc. Mas dá pra aguentar... só pra ver a alicia silverstone sendo fofa, apenas. Ai meu, é muito vergonhoso hahaha.

Você vai gostar se...
Gosta de sentir vergonha alheia pensando: "sério, quem se submete a fazer algo assim em 2012?". Vamps me lembra um pouco aquela série Two Broke Girls (só que mais sem graça ainda). Aliás, acho que se fizessem uma sitcom com esta ideia, poderia até render umas 2 temporadas... (to sendo positivo rs)

Em uma palavra:                                            ~*FLOP*~


Sobre o Autor:
VinnieVinnie. Eu não tenho filtros e vejo qualquer tipo de coisa. Gosto de drama, ação, terror, comédia e não tenho preconceitos (vou de cult a blockbusters e trashões). Sou fanático por premiações e futilidades de Hollywood. Odeio spoilers mais que tudo. [Perfil completo]


7 de fev de 2013

The Sessions

As Sessões
Ano: 2013
Com quem? John Hawkes (Martha Marcy May Marlene), Helen Hunt (Quando me Apaixono / Melhor Impossível), William H. Macy (FARGO), Moon Bloodgood (Falling Skies).

Direção: Ben Lewin (Paperback Romance).

É sobre o quê?
Mark O'Brien teve poliomielite na infância e isto o que o deixou sem movimentos no corpo inteiro, fazendo o homem crescer e viver numa maca. Porém, mesmo com esta condição, conseguiu graduar da Universidade de Berkeley e tornar-se um jornalista/poeta. Aos 38 anos, Mark decide que não quer mais ser virgem e procura uma ajuda de uma terapeuta que sugere ele se consultar com um "sex surrogate", uma mulher contratada para ajudá-lo a explorar sua sexualidade....

Baseado em uma história real.

Eu gostei de:
Eu gostei muito do filme como um todo e o principal motivo é por não ser nada deprimente. Mesmo tratando-se de um tema muito delicado, é tudo muito leve, principalmente porque vemos as coisas da perspectiva do Mark e ele é muito engraçado, sarcástico e fofo demais. Não é daquelas pessoas over-felizes, sabe? Que por tabela deprimem todo mundo, fazendo a gente se sentir ingrato pela vida... Sério, a gente simplesmente o vê como uma pessoa normal.

hero

John Hawkes está sensacional, este é o terceiro filme que eu o vejo atuando demaaais assim (os outros foram Martha Marcy... e Winter's Bone). Os outros personagens também conquistam a gente, a Helen Hunt está ótima (por isso a indicação ao Oscar 2013) e o William H. Macy como o padre que ouve todas os pensamentos sexuais do cara também rende um bom alívio cômico pro filme.

onde q acha padres assim?

Em geral eu chorei o tempo todo (ah vá...), mas não por causa de dramões, simplesmente porque aconteciam coisas bonitas e eu me importava demais com o personagem... Sério, queria muito ser amigo dele.

Eu não curti:
Eu realmente não achei algum defeito assim no filme, pra mim foi tudo lindo. Acho que poderia ter mais tempo de duração ou mais tempo contando sobre a vida do cara antes dos 38 anos, eu adoraria isso. Mas acho que a intenção não foi ser uma biografia e sim contar sobre esta experiência pela qual Mark O'brien passou e mostrar um pouco como é esta profissão de "sex surrogate".

<3 <3 <3

E vale a pena?
Vale sim! É bem daqueles filmes de se assistir à tarde, no frio e tal. Não vai ter roteiro cheio de twists, ou momentos blockbuster etc. É tudo bem sutil (embora seja cheio de nudez e papo sobre sexo, claro). É tanta coisa fofa que é impossível não gostar. Quando começar a passar no telecine eu vou ver de novo, ctza.

Você vai gostar se...
Gosta de histórias reais e bonitas. Curte dramas leves com temas pesados, com mensagens de superação e aceitação etc. O filme fala sobre sexo, mas de uma maneira bem adulta e nada constrangedora.. to pensando em algum filme pra comparar e não consigo achar nenhum rs. Help?

Em uma mancada: Este filme merecia pelo menos mais umas 2 indicações ao Oscar.



PS: Que corpão é esse da Helen Hunt... ela tem 50 anos! [+18]

Sobre o Autor:
VinnieVinnie. Eu não tenho filtros e vejo qualquer tipo de coisa. Gosto de drama, ação, terror, comédia e não tenho preconceitos (vou de cult a blockbusters e trashões). Sou fanático por premiações e futilidades de Hollywood. Odeio spoilers mais que tudo. [Perfil completo]


6 de fev de 2013

Argo

Argo
Ano: 2012
Com quem? Ben Affleck (Demolidor), John Goodman (O Artista), Alan Arkin (Pequena Miss Sunshine) e Bryan Cranston (Drive)
Direção: Ben Affleck (Medo da Verdade)

É sobre o que?
"O filme se passa em 1979, durante a chamada Crise de Reféns no Irã. Com a recusa do governo dos Estados Unidos de entregar o xá Reza Pahlevi, deposto pelo aiatolá Khomeine, as massas furiosas invadiram a embaixada estadunidense, fazendo 54 prisioneiros. Seis funcionários, porém, conseguiram escapar, refugiando-se na casa do embaixador canadense em Teerã. Desesperada para extraí-los do país, a CIA aceitou o plano do agente secreto Tony Mendez (Ben Affleck), de criar um filme falso com local de filmagem no Irã para chegarem aos reféns." - sinopse mais ou menos extraída do Omelete.

Eu gostei de:
A história é surreal! É tipo uma grande piada o plano de resgatar os reféns através de um FILME FALSO com o financiamento dos figurões de HOLLYWOOD, mas tudo é muito bem elaborado e a piada acaba tendo muito graça e inteligência.

O cara que teve essa ideia ou foi um gênio ou fez um comentário tirando um sarro numa reunião da CIA que acabou por ser levada a sério demais. O que importa é: deu uma puta de uma história, muito, mas muito bem planejada.


esse é o cartaz original do filme falso

Outra coisa que me surpreendeu foi o cenário da Teerã dos anos 70 (que eu imagino ter sido construído em estúdio e não filmado na cidade de verdade pq né), vocês tem que assistir pra entender, mas é realmente perfeito. Não digo isso porque sou very cult e sei como era o Irã nos anos 70, mas porque nos créditos as imagens verdadeiras aparecem e a gente vê como foi tudo seguido à risca. Aliás, também curti bastante essa parte, porque mostra as pessoas de verdade, os reféns, os agentes, o maquiador John Chambers, todo mundo, e a gente percebe como se preocuparam com os detalhes originais.

Eu não curti:
Bom, eu não gosto do Ben Affleck como ator, e nesse filme não foi diferente, não gostei também. Nem vou dizer que me decepcionei, porque já nem esperava nada. Fiquei decepcionada na verdade quando li que ele protagonizaria o filme, porque além de não curtir a atuação do cara tenho muitos problemas com diretores que querem aparecer nos filmes (menos com a Lena Dunham em Girls <3). Até gostei do trabalho dele como diretor sim, mas não me deixou entusiasmada o suficiente.


#MESMA #CARA #SEMPRE

Por falar nisso, me incomodou bastante o roteiro. Achei extremamente corrido. Apesar de ter duas horas, as sequências são tão rápidas e confusas quanto o Will Smith cantando a abertura de Um Maluco no Pedaço. Porra, tinham uma história tão sensacional na mão, poderiam ter aproveitado muito melhor né? Faltou desenvolver, o tempo lá no Irã pareceu passar muito rápido. Isso me deixou bem chateada.


VAI GENTE TEMOS 30 SEGUNDOS PRA MOSTRAR 90 CENAS CORREM

E ah, sobre o suspense, durante as cenas eu ficava bem tensa mesmo, mas logo depois que acabava eu percebia o quanto elas eram previsíveis. Sem novidades.

E vale a pena?
Eu detesto falar que um filme não vale a pena, mas esse vou dizer que talvez não valha.
Pela história sensacional vale sim, pra ver o desenrolar dela, mas pelo filme em si, não. Eu até entendo porque foi indicado ao Oscar, GG e tal, mas não concordo. Sinceramente, não vi nada de especial no filme.

Você vai gostar se...
Gosta de filmes sobre guerras e afins, gosta de histórias mirabolantes e salvadores da pátria, ou gostou de filmes como O Suspeito.

Em uma conclusão: que se dane Lincoln e Argo e tudo o que existe no mundo, melhor filme do ano mesmo, pra mim, É O DJANGO. BJS FUI







Sobre o Autor:
Eugenia Eugenia Adoradora de filmes com personagens perturbados, sou maníaca por animações esquisitas e até pelo dedão do Tim Burton. Assisto qualquer coisa, nem que seja pra falar mal depois hehe.[Perfil completo]

3 de fev de 2013

Les Misérables

Os Miseráveis
Ano: 2012
Com quem? Hugh Jackman (Gigantes de Aço), Russell Crowe (Robin Hood), Anne Hathaway (O Caveleiro das Trevas Ressurge), Amanda Seyfried (12 Horas), Sacha Baron Cohen (A Invenção de Hugo Cabret), Helena Bonham Carter (Sombras da Noite), Eddie Redmayne (Sete Dias com Marilyn), Aaron Tveit (Uivo) e Samantha Barks (Les Misérables in Concert: The 25th Anniversary). 
Diretor: Tom Hooper (O Discurso do Rei).

É sobre o quê? 
Na França do século 19, Jean Valjean (Hugh Jackman), que durante décadas foi caçado pelo implacável policial Javert (Russel Crowe) depois que ele quebrou a liberdade condicional, se compromete a cuidar de Cosette (Amanda Seyfried), filha de Fantine (Anne Hathaway) uma operária de sua fábrica. Uma decisão que muda suas vidas para sempre. 

Eu gostei de: 
O filme é realmente um acontecimento épico! De encher os olhos de lágrimas e nos surpreender com a mega produção musical. Eu imaginei que iria me decepcionar um pouquinho porque esperei desde o Natal (data de estreia nos EUA) e ver todo mundo comentando e idolatrando o filme aumentou minha expectativa como há muito tempo não acontecia. Porém, pelo contrário, eu gostei mais do que imaginei que iria gostar. É tudo feito para dar certo; cada cena, cada figurino, tudo como deveria estar. Você não imagina algo tão bem feito assim até realmente estar sentado na sala do cinema com o filme prestes a começar. 

<3
Gostei da atuação da maioria do elenco, mas é inegável que a Anne Hathaway rouba todos os créditos do musical com sua interpretação crua e verdadeira de “I Dreamed A Dream”. Meu coração começou a bater forte com essa cena mesmo ela estando por metade no trailer. Além da Hathaway, Amanda Seyfried, Hugh Jackman e Helena Bonham Carter também têm seus momentos especiais e conseguem mostrar porque eles já são consagrados no mundo dos musicais/cinema. 

Alguém que me surpreendeu foi a atriz Samantha Barks, que interpreta a Epopine e canta divinamente bem. Conseguiu até arrancar uns choros de bebê de mim. Essa linda tem um dos papeis mais “fáceis de esquecer” se não feito direito, mas ela vai lá e consegue fazer uma das cenas mais lindas que já vi. Me surpreendeu e entrou no meu top três das melhores cenas de Les Misérables, junto com “I Dreamed a Dream” da Annezinha <3, “Valjean's Soliloquy (What Have I Done?)” do Hugh Jackman e “On My Own” dessa linda. 

E essa cinturinha tamanho impossível? <3
Eu não curti: 
Olha, foi difícil aguentar, mas eu consegui... Porém ainda quero que alguém me explique o que foi o Russell Crowe quase estragando um filme tão lindo? Ele não consegue ser 30% bom quanto o resto do elenco e, para piorar, seu papel é um dos mais importantes na história. Somos obrigados a o ouvir cantando (ou tentando) por várias vezes enquanto entre suas cenas os outros atores sambam na cara da sociedade atuando e cantando bem. Ele, entretanto, fica com a mesma cara durante todo o filme e mal alcança as notas que poderiam nos emocionar. Isso só é mais visível ainda porque as gravações das músicas foram feitas ao vivo durante as filmagens, e só depois adicionaram a orquestra. Então vocês podem sentir que foi um trabalhão para ele (e para quem editou) deixar tudo “bonito”. 

</3
Vale a pena?
Sem dúvidas. A fotografia é frenética, as performances musicais incríveis e humanas, sem toda aquela falsidade de alguns musicais que a galera está na pior, mas de cachinhos perfeitos e chorando sem coriza. Essa nova adaptação de Les Misérables é uma das mais poderosas visões cinematográficas e um dos mais belos clássicos da literatura e da história dos musicais. Não vai demorar muito para que ela se torne uma das mais importantes do cinema e até vejo que daqui pra frente os musicais vão ser mais reais e emocionantes como esse. 

Você vai gostar se...
Gosta de musicais, literatura e história. Se curte o cinema de forma geral, vai encarar uma das melhores produções e direção do dessa década. Talvez ache um pouco cansativo porque, como muitos musicais da Broadway, a cantoria não para, mas isso não é algo ruim se você está disposto a assistir três horas dessa coisa linda  ♥
Essa câmera filmando o nariz do elenco <3
Em uma lamentação desnecessária: bem que poderiam ter substituído o Russell Crowe por qualquer outra pessoa, até eu, que já sei solfejar.



Sobre o Autor:
Kabe Kabe. Eu costumo prestar atenção em detalhes sem relevância nos filmes e expandir a história na minha cabeça antes mesmo dos créditos iniciais começarem. Um filme perfeito seria aquele sem gênero definido em que a Elle Fanning chora com um Alien de bow tie enquanto o espaço explode em slow motion. Ah, e eu converso com os personagens. [Perfil completo]